Sempre fui um bom carona
Ao volante, meu irmão mais velho
Torcia o pescoço
Retorcia um sorriso filogenético
Ao me ver colocar o cinto
Eu dizia
Mano
E mostrava meus dentes cariados
Durante a fuga do cheiro podre da minha boca
Um cheiro que o mundo conhecia
Que antecedia qualquer lembrança ou pensamento
Que de mim fosse feito
Mas meu irmão parecia não se importar
Talvez até gostasse
Como alguém aprende a gostar do hálito do seu cachorro
E eu dizia
Mano
Eu peguei uma música
E ele ria
E eu ria, pois me sentia um caçador
Algum tipo de caçador de sonhos
Ou mesquinharias belas da vida
Que não pertenciam a nós
É mesmo? O que você pegou?
Tocou naquela rádio que você me mostrou, apertei o rec bem rápido, peguei ela inteira
Coloca aí então
E eu colocava
Eu olhava fixamente para o rosto do meu irmão
E eu conseguia identificar alguns traços da minha mãe
E outros que pareciam ser exclusivos nossos
Como o queixo
E desprezar os outros irreconhecíveis
Que só poderiam ser dos pais
Que ambos desconhecemos
Um coral abria a canção
Eu observava fixamente as expressões do meu irmão
Ele me parecia um quadro sem moldura
Enquanto o mundo sempre o viu como uma moldura sem quadro
Um oco desprovido de carne
Eu sempre tentava
Tentava capturar as emoções que a música poderia suscitar
Ele sempre foi tão sensível
Guardava um punhado de argila no seu quarto
Impedia que as pessoas a tocassem
E tudo isso não era em vão
As sobrancelhas caíram
Com a música
Como folhas
Com a música
Os olhos se apequenaram
Como os sonhos da vida adulta
E um inseto andava pelo vidro do carro
Na parte externa
Indiferente com o rumo da vida
Ao virar o rosto, chorava um pouco
Tirei a fita
Eu já sou homem, disse
Você não deveria estar nessa, mano
A mãe precisa
Ele me alcançou o 38
Te espero ali, naquela bomba
Saí do carro, o posto estava vazio, nos dias de chuva sempre tem menos movimento
Meu irmão empurrou a fita de volta
O som foi interrompido por dois tiros

Meu irmão ao volante
Olha para o banco do carona
Vazio
No de trás, nossa mãe está de óculos escuros
Somente ele chora
No seu quarto um inseto caminha
Sobre a argila, seca
Mas já ninguém pode ver



Tiago André Vargas
22.10.2017






Sob o cadáver de um domingo
São noticiadas estratégias para a contagem de papéis
Os dedos cruzados, partidos, corrediços
Miles Davis crucificado na parede azul sem fiéis

Tudo isso se apresenta como algo novo
A novidade incumbida de fossilizar os escombros
Para que turistas de outro tempo tanto quanto insones
Possam coçar suas bermudas caquis em museus de Iphones

E as crianças vão chorar nesse museu
Como tudo que é novo chora diante do antigo, diante do cinco, do seis, do sete, do s
E os adultos a comprarem sorvetes para conter as lágrimas dos pequenos seus/eus
Sairão do museu antes da última atração, o assustador trompete

Um desconhecido aparece em milhões de caixas coloridas com um galo debaixo do braço
Em Tókio uma criança descobre um empoeirado teclado

Como odiar Protágoras depois de escutar que o homem é a medida de todas as coisas?

Tiago André Vargas
10.09.2017








“Eu mudei com o tempo, eu juro”. Seus braços amarrados em uma nogueira, a nuca raspando o tronco da árvore, o cheiro de uma casca, de outra casca, uma nuvem de cascas ao longe e o rápido cálculo da probabilidade de ser atingida pela torrente de mínimas crostas, o dorso nu de um inseto e o desejo incontrolável de balbuciar decassílabos. Ele limpa seus óculos. Ser um anfitrião na Grécia era mais simples que em São Petersburgo, disso ninguém discorda, mas agora aqui estamos e precisamos fazer algo a respeito. “Você criou o mundo, mas não eu”. Ele sabia. O que era virar um touro e raptar Europa comparado ao ato de se prostrar diante o desconhecido, das frutas de retina que escorriam do lamento da incompreensão e que o deixava em estado de aporia. “Eu sou ele, eu gozei o mundo”. Por certo. A sentença derradeira, o desespero da soberba, a queda dos anjos, a confissão do fracasso. Ela sorriu. Ele consentiu. “Sim, as vezes isso acontece”. Agora seria necessário vencer, esmagar, subornar montanhas e mudar os registros da história para que as cantilenas fossem narradas em falso falsete. “Primeiro inventamos a coisa”. Por certo. Por certo. “Depois buscamos significado”. A questão era que havia algum prazer em estar amarrada à nogueira, especialmente por não ter cordas, e, em fato, vibrar como uma. Tudo era uma questão de escolher a punição. Ele, quando tinha sua magnificência dobrada pelo espírito incontrolável e inusitado de um mortal era benevolente: deixava que o castigo fosse escolhido pelo errante e depois inventava uma sofisticada anedota como justificação. Não que precisasse justificar coisa alguma, tudo não passa de uma casca, mas, os talheres não foram inventados para serem postos no jardim. “Eu quero ser um cavalo azul”. Invejou-a. Quando inventou a história do roubo de Europa, não teria sido melhor ter escolhido um cavalo? Na verdade, os chifres eram importantes para que ela se segurasse durante a fuga. Claro, era necessário fugir rápido. Mas, quanto à cor? Deveria ter escolhido alguma cor quente, evidenciaria o seu poder divino. E, azul provavelmente teria sido a melhor opção. Com um gesto levemente penoso lançou o seu corpo em direção ao mar e presenteando-a com uma lágrima de fogo no peito assistiu-a com admiração cavalgando em disparada oceano adentro.  “Ela é especial, eu a amo”. Ela ouviu, ela só podia ouvir decassílabos e vibrar com a fratura dos meses durante a reminiscência da congestão dos sentimentos turvos de um amor imoral. A maioria esmagadora dos homens durante os milênios transcorridos morreram sem nunca ver um desses cavalos azuis. Era só um capricho, só uma casca, algum nó, um sentimento confuso. Era só a criação do mundo, feita assim, por acaso, como um macaco que descobre o orgasmo e logo depois olha para os lados, assustado, mas, estando só no universo, lhe cabe aguardar que o esperma faça a necessária negação do criador para girar a roda fastidiosa do mundo através dos anais das bananeiras, cachos de dores, algum potássio e uma linda casca, escorregadia, indecifrável. “O touro foi bom. Mas amarelo”.

29/08/2017
Tiago André Vargas







Entre as dobras do passado é possível encontrar uma música do Led Zeppelin que surge diferente, irreconhecível, mas, logo é reconhecida. Sinto-me velha, exausta, tanto que escrever o nome dessa banda me dá um enorme pesar, medo de ser confundida com alguém que principia a vida, receio da ingenuidade que segura a mão do entusiasmo. Meu banheiro possui mofo, eu o carrego em baldes, equilibro-os entre o lixo seletivo e o orgânico nas dobras do passado, não consigo diferenciar o presente. Em uma dessas dobras, eu falava que você foi uma das primeiras pessoas que me aplaudiu, quando toquei uma música decadente para uma platéia de oito pessoas. Eu li para você um poema de Amós Oz, você me convidou para o cinema, pois passava um filme onde a protagonista interpretava a mãe do escritor. Depois do filme, os poemas, tão tristes, entraram nas dobras do passado e retornaram ao presente, muito, muito mais tristes, eu sentia uma dor no peito que me permitia, com clareza, reconhecer o instante que perfaz o agora. E, quando saímos do pequeno cinema, junto com outras seis pessoas, eu percebi que você estava orgulhoso de me ver comovida. Queria ter a oportunidade de te dizer que esse foi o sentimento mais puro que experimentei em minha vida. Seu cabelo um pouco oleoso e o pingente do seu colar prometiam um mundo diferente. Eu disse que não sabia quanto a ele, mas que eu vivia em um país que no último ano aplicou, cada dia, um golpe. Eu li um material organizado por jovens entusiasmados que relatava metodicamente os golpes sofridos, como se a pátria tivesse um diário e desabafasse as dores injustas de um ano amargo, o laivo simbólico, a perda de alguém presente, a constatação da eterna ausência, a abertura desta imperecível fenda: ainda somos os mesmos? Apesar da minha desmotivação, ou, justamente por ela, fiz questão de mencionar esse trabalho, como lisonja aos que ainda são jovens, mas também como subterfúgio para esconder o medo de amar em um luto patriota, como, se num país tão boçal, não me dar o direito de amar fosse o meu maior protesto. Eu acho que assustei você, é algo que acontece. Disseram que vinagre ajuda a tirar o mofo, que seria melhor o de limão, mas só encontrei o de maçã. Não funcionou o de maçã, também não mais acredito que funcionará o de limão. As dobras do passado, de volta ao presente, me lembram que tudo isso ocorreu há oito anos, e, você agora está fazendo o seu doutorado em artes plásticas em algum país da Europa que apequena a minha existência. Volto a mim, estou em uma exposição, na minha frente há um manequim com cabos elétricos saindo do ventre e uma grande luz artificial em forma de galhos que partem da cabeça. Há um casal me olhando enquanto olham o manequim. Fechei os olhos e, buscando conforto, voltei para uma dobra do passado.
Se o sol se recusar a brilhar, eu continuarei amando você. A música dizia.



Tiago André Vargas
22.05.2017






“Estranho preconceito, contudo, que valoriza cegamente a profundidade em detrimento da superfície e que pretende que superficial significa não de vasta dimensão, mas de pouca profundidade, enquanto que profundo significa ao contrário de grande profundidade e não de fraca1 superfície. E, entretanto, um sentimento como o amor mede-se bem melhor, ao que me parece, se é que pode ser medido, pela importância de sua superfície do que pelo grau de profundidade…” – Sexta-feira ou os Limbos do Pacífico, Michel Tournier.



[1] – Talvez pouca superfície seja uma tradução melhor.



Pensa estoicamente apontando para o coração flébil
Maneiras pelas quais um mundo sólido se desmancha no ar instrumentalista
Olha com atenção o rosto de baleias manuseadas por Camus
Questionam a vida, com suas longas caudas que também parecem
Corações agudos, justamente, por serem abertos
Gostaria de se sentir mais responsável pela morte dos jovens
Gostaria de se sentir mais responsável pela rigidez do mundo
Mas chuveiros com cloro e sapatos de animais mortos te colocam em marcha
Chega às estradas obstruídas por pneus de uma fumaça muito escura
Simbolizam que o conclave ainda não chegou ao fim e nem chegará
Quer muito abraçar os pneus
Escolher um em especial, torná-lo ninho, entrar
Incendiar como um monge, ser um mártir
Contudo sabe que as ideias não possuem a densidade dos sentimentos
Não pretende ser um vídeo no youtube
Para que em 2038 uma elegia seja escrita
Por outra moça ou rapaz, tão triste como tu
Não quer que eles sintam medo ao ver os ossos do teu corpo
Percebendo que o tempo, espécie de fogo, sempre os revela
Tampouco ódio com o comentário mais curtido
Que bom seria se todo vagabundo fizesse o mesmo
Em silêncio aproveita o generoso sol que desponta na tua cidade
Quebra duas ou três vidraças
Atiça profundos instintos na máquina de oxigenação
Cassetetes empunhados por boletos te convidam a entrar em um aquário dentro do aquário
É preso, esbofeteado e te cospem no rosto barbeado
Te chamam de filho da puta e perguntam se tem merda na cabeça
Perguntam se é um retardado, um imbecil, um estúpido
Um grande leão marinho indaga, com falso interesse, onde está sua razão
E você, que mais sabe sentir do que explanar, mais uma vez aponta para o peito
Balançam a cabeça e concluem que é um fodido
Te batem ainda mais por sinceramente gostarem de você


Tiago André Vargas
28.04.2017






A arte não é espelho
É ferramenta para mudar
O mundo
Disse um poeta
Mais alto
Alguns centímetros
Mais triste
Eu

Demorei mas
Aprendi a dificuldade
De pensar
De ser uma árvore
De ser Artaud e uma árvore
De ser uma árvore cega a esticar os dedos
O encontro de vida ao virar o rosto e já ser
O encontro de morte
Com o sol
Mas ainda é mais difícil
Ainda, sim, ainda
É mais difícil amar
É preciso criar o tempo
A tempo
De desencontrá-lo
Outro tempo
Desfeito
Superado
Inexistente
A criação da invenção da inversão do tempo
Absolutamente atemporal
Absolutamente existente
Quando pudermos
Tocar
A ideia sem pensamento
O sentir e o devir
No gesto pleno de afeto
Um tempo no pensamento e então
O início de uma apoteose sem platéia
O ensaio de um dedo
A grande travessia de uma lágrima pelo deserto
Teu rosto sempre foi uma miragem
O mergulho na escuridão do olho esquerdo
Que só
Fecha

Nos abraçamos na parada de ônibus
Enquanto países entravam em guerra
Enquanto políticos ganhavam em guerra
Enquanto pessoas melhores do que nós
Escreviam o seu nome na história
Com prêmios
Louros
Glórias
E outras perfumarias
Que os cavalos passam e não reconhecem

Começamos a pensar
Nossos corpos se desmancham no interior do interior do mundo
Comprazidos pelo escarro
Do nosso amor proletário
Despertando uma morna simpatia
De um anjo antipático
Voamos rápido
Alquebrados
Coloridos
Doloridos
Dentro do nosso tempo
Dentro do nosso pensamento
Abolidos e imanentes
Refletimos o amor através da curiosidade perversa
De velarmos nossa mais profunda dor
No último dia
Das nossas vidas

Um de nós
Estará lá

Todos os cavalos que eu criei
Abismam

Tiago André Vargas

12.02.2017





00:53:21
Por dois sonhos.
00:53:25
Assisto as ondas adormecerem o sal.
00:53:40
Escorrem-me espumas e conchas.
00:00:03
Há um sorriso que o pensamento não alcança.
00:53:47
Tenho 25 anos.
00:53:53
Engravido a liberdade.





Tiago André Vargas
26.11.2013 e 15.01.2017








Como um homem que corta a
Corcova de um boi e se
Alimenta desta
Separação
Há algum tempo eu
Questiono a
Matéria
Qual tempo
Resta
De associação
À vida eterna
:
Juventude

A imanência flerta com
Gatos egípcios
Lambendo a podridão do meu
Corpo a
Girar
Espeto de carbono
No cemitério morno
Imarcescível
;
Infância

Em sonhos
Eu e amigos
Somos cabras
Pulando
Fogueiras
Bebendo
Água suja
Misturando-a e misturando-nos
Com leite de
Noites distantes
Escondidos atrás de uma lua em frente às névoas de sorrisos
Reconheço um
Amor recolhido
Em um cocho pequeno
Pastamos e
Apascentamos
Um conhecido sentimento
Ao abismo de uma leve
.
Promessa

A faca do tempo
Aproxima o corte
Da nuca
O fio da navalha
O olho sem pálpebra
Procura
O impressionismo
Que me beija com devoção
Desde o
Parto
Sem
Partir
Uma parte minha
Chora pelos
Lábios
Que eu pensava fazer
Parte
De algum dos mil
Eu

Amigos
Balimos
E a lâmina da morte
Ainda mais
Cega
Voa com presciência
Na direção oposta

Agora
Nenhum barulho
Será permitido

Tiago André Vargas

18.12.2016